Um corpo sem órgãos: “ao artigo indefinido nada falta, o artigo indefinido é o condutor do desejo”

Hanna Claudia Freitas Rodrigues, Baga de Bagaceira Souza Campos, George Varanese Neri

Resumo


As foto-performances aqui apresentadas propõe criar uma poética a partir do conceito corpo sem órgãos, elucidado em dois momentos e por três distintos autores: o corpo sem órgãos concebido por Antonin Artaud, em O Teatro e seu Duplo (1935) e Para acabar com o juízo de Deus (1946) e, a dobra deste conceito, em "Como criar para si um Corpo-sem-órgãos", em Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia (1980), de Gilles Deleuze e Félix Guattari.


Texto completo:

PDF

Referências


ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Como criar para si um Corpo-sem-órgãos. In: ___. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3, Coord. trad. Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Editora 34, [1980] 2004. p. 9-30.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e José Augusto Guilhon Albuquer- que. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Hanna Claudia Freitas Rodrigues, Baga de Bagaceira Souza Campos, George Varanese Neri